Translate

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Arte em papel com a Flor Misteriosa e a origem das flores


Material: Filipinho Color 85g ou Filipinho Color Cards 120g, cola e tesoura.

Uma ídéia criativa, que pode ser utilizada para a ornamentação de festas, stands, brindes...
Execução: Professora Jacqueline Spyker.

Origem das flores ainda é mistério para a ciência




Ao longo de sua vida, Charles Darwin sempre esteve cercado de flores. Aos 10 anos de idade, ele anotava as datas e horários em que floresciam as peônias no jardim de seu pai. Quando comprou uma casa na qual pretendia instalar sua família, depois de casado, transformou o jardim e quintal em uma estação de pesquisa biológica de campo, onde conduziu experiências com flores até morrer. Mas a despeito de sua íntima familiaridade com as flores, Darwin certa vez escreveu que a evolução delas continuava a ser "um abominável mistério".
Darwin pôde constatar por si só o sucesso que as plantas florescentes haviam conquistado. Elas respondem pela maior parte das espécies de plantas hoje vivas, e dominam muitos dos ecossistemas do planeta, das florestas tropicais às pradarias. Também dominam nossas fazendas. Das flores provêm a maior parte das calorias consumidas por seres humanos, em forma de alimentos como milho, algodão, arroz e trigo.
As flores também impressionam pela imensa diversidade de suas formas e cores: das luxuriantes e encorpadas rosas às orquídeas de formato aracnídeo, passando por lírios calla, que têm forma de urna.
O histórico fóssil, porém, tinha poucos esclarecimentos a oferecer a Darwin sobre a evolução inicial das flores. Na época, os fósseis mais antigos das plantas florescentes que haviam sido identificados provinham de rochas formadas de 100 milhões a 66 milhões de anos atrás, durante o período cretáceo. Os paleontologistas descobriram ampla diversidade de formas, e não apenas alguns precursores primitivos.
Muito depois da morte de Darwin, em 1882, a história das flores continua a ser problemática para os cientistas. Mas os atuais especialistas parecem cautelosamente otimistas. "Existe uma energia nesse campo que eu não havia visto anteriormente, em toda uma vida de pesquisa", diz William Friedman, biólogo evolutivo da Universidade do Colorado em Boulder.
A descoberta de novos fósseis é uma fonte de entusiasmo renovado. Mas os cientistas também estão descobrindo muitas pistas sobre a evolução das espécies florescentes nas flores vivas e em seus genes. Eles estão decifrando as receitas codificadas no DNA de plantas para a produção de diferentes tipos de flores. As pesquisas indicam que as flores evoluíram em sua maravilhosa diversidade mais ou menos da mesma maneira que os olhos e as pernas dos seres humanos, por meio da reciclagem de genes antigos para a realização de novas tarefas.
Até recentemente, os cientistas estavam divididos quanto ao relacionamento entre as flores e as demais plantas. Graças a estudos sobre o DNA de plantas, o parentesco agora se tornou mais claro. "Havia toda espécie de ideia em circulação, e muitas delas foram refutadas", disse James Doyle, paleobotânico na Universidade da Califórnia em Davis.
Tornou-se claro agora, por exemplo, que os mais próximos parentes vivos das flores são espécies sem flores que produzem sementes, um grupo que inclui árvores como o pinheiro e o gingko. Infelizmente, essas plantas são todas estreitamente aparentadas umas às outras, e nenhuma delas é parente mais próxima das flores que as demais.
As plantas que poderiam servir para documentar os primeiros estágios na emergência das flores aparentemente se extinguiram milhões de anos atrás. "A única maneira de identificá-las é por meio dos fósseis", disse Doyle.
Nos últimos anos, os cientistas identificaram no registro fóssil flores com datação de até 136 milhões de anos de idade. Também identificaram diversos fósseis de misteriosas plantas produtoras de sementes que terminaram extintas, algumas das quais aparentemente produziam suas sementes por meio de estruturas vagamente assemelhadas às que as flores viriam a utilizar posteriormente.
Mas os mais intrigantes dos fósseis costumam ser também os mais fragmentários, e isso causa profunda divergência entre os paleobotânicos no que tange à questão de qual dessas espécies se relacionaria de maneira mais estreita às flores. "Não existe consenso a respeito dessa questão", diz Doyle.
Mas existe consenso no que tange à evolução inicial das flores propriamente ditas. Ao estudar o DNA de muitas espécies de plantas florescentes, os cientistas descobriram que apenas um punhado de espécies responde pelas mais antigas linhagens de flores ainda existentes. A mais antiga de todas as famílias sobreviventes é representada por apenas uma espécie, um arbusto conhecido como Amborella, que só existe na ilha da Nova Caledônia, no sul do Oceano Pacífico.
Os nenúfares e as estrelas de anis são as duas outras linhagens mais antigas de flores que ainda sobrevivem. Se um observador pudesse recuar 130 milhões de anos no tempo, é possível que não se impressionasse muito com as flores então existentes. "Elas não pareciam destinadas a prosperar como fizeram", afirma Doyle.
As flores que existiam nessa época eram pequenas e raras, e viviam à sombra de plantas não florescentes, cujo índice de sucesso era muito maior. Foram precisos mais milhões de anos de evolução para que as flores chegassem a um ritmo de evolução notável.
Tradução: Paulo Migliacci ME
Fonte:http://noticias.terra.com.br

3 comentários:

  1. Que criatividade!!! Muita linda!!! Continue assim!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada!!! É muito bom compartilhar ideias, opiniões com vcs. Felicidades!!! Beijocas.

    ResponderExcluir